O Poder das Redes Sociais para as Empresas Brasileiras

As redes sociais ganharam muita força nos últimos anos. Isso se deve, principalmente, ao avanço tecnológico que passamos na última década. Você acha que isso é balela, mas pense bem: seu telefone não é mais aquele da tela verde que só faz ligações e envia mensagens (quando se tinha créditos, diga-se de passagem) ou seu computador não é mais aquele PC imenso com Windows 98 ou inferior e sua internet não é mais através de pulsos telefônicos (a famosa internet discada).

Todos nós passamos por essa transição. A transição do mundo web. Hoje em dia, tudo que precisamos encontramos na internet: seja para fazer uma pesquisa acadêmica até mesmo uma compra. E é nesse ponto que quero chegar. O social trouxe diversos avanços não só para a comunicação, mas para o consumo de uma forma geral.

As pessoas estão mais conectadas que nunca atualmente e as empresas que querem se manter competitivas precisam estar nesse meio.

Até pouco tempo atrás, havia uma resistência por parte dos empresários mais conservadores, achando que a rede social seria uma febre passageira como tantos outros modismos que vivemos, que isso não passaria de manchete e as coisas voltariam ao normal. Mas não voltaram.

Foi uma popularização tão grande que ficou impossível não se inserir nesse meio. E aí nos deparamos com outro problema: a falta de preparo de algumas empresas no trato com seu público. Aqui, podemos elencar uma série de fatores prejudiciais: falta de conhecimento do seu público, assuntos que não provocam engajamento, produtos ou serviços não condizentes com a estratégia comercial adotada pela empresa, falta de conhecimento das ferramentas e vários outros fatores complicadores nesse contato social.

E o que poderia ser uma ferramenta aliada para novos negócios e fortalecimento de marca, se torna uma grande dor de cabeça. Muitas vezes essa dor de cabeça gera transtornos e impeditivos da empresa continuar com sua estratégia nas redes sociais, perdendo um espaço importantíssimo e uma parcela de consumidores.

Adicione a esse dado o surgimento de prestadores de serviços não qualificados que utilizam o investimento do cliente em campanhas não segmentadas para o nicho de mercado específico e que não se aprofundam na necessidade do cliente, provocando um mal-estar ainda maior em algo que deveria ser uma solução, não um problema.

É muito importante que o empresário entenda a importância do contexto do Social hoje na realidade brasileira e que vai muito além de criar uma página no Facebook, um perfil no Twitter e no Instagram. É preciso entender a linguagem do seu cliente, os interesses, o que o seu cliente está compartilhando para que você esteja sempre presente na timeline dele. Para isso, você conta com a nossa ajuda! Entre em contato e veja as soluções que dispomos para essa tendência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *